Headlines
Loading...

segunda-feira, 25 de abril de 2016

JOVEM É ENCONTRADO MORTO NO LAGO DE NOVO ITACOLOMI


O Caso do menino Lucas - Triste foi o desfeche do desaparecimento do jovem, que a bem pouco tempo morava em Borrazópolis, Lucas, o Luquinha como era conhecido teve na sua breve passagem por esta terra uma vida "conturbada", segundo pessoas bem próximas e um familiar do garoto, Lucas tendia a feminilidade isso já podia ser observado quando o menino tinha lá seus sete oito anos, em suas brincadeiras ficava evidente seu gosto pelo mundo feminino, desenhos de vestidos e modelos, no lugar do futebol, cabelo e maquiagem no lugar de policia e ladrão, (brincadeiras de crianças).
O Tempo foi passando e cada vez mais a transformação se tornava mais forte, até que no inicio da adolescência sua personalidade e maneira de agir era de uma menina, (Luana este foi o nome adotado). 
Quando no inicio desta postagem , colocamos a palavra conturbada é pelo fato de que tão novo era o garoto, e já estava envolvido em inquérito Policial e passagem pelo conselho tutelar. A GRANDE VERDADE, é que pai e mãe jamais queriam e querem que seu filho (a) tenham esta transformação de gênero, Lésbicas, Gays e Bissexuais, Pais criam seus filhos para a continuidade, Família é procriação.
Segundo um estudo comprovado pelas mais conceituadas Universidades tanto do Brasil como também dos EUA, apenas 12% de todas a classes LGBT - Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, já nascem com a pré disposição ao gênero, os outros 88% ou foram molestados, abusados ou criados num ambiente que possibilitaram a isso, Mas se o caso é inevitável ai é que entra a família, pais, mães, avós terão que redobrarem suas atenções, e atentos ainda mais no comportamento de um adolescente com pré disposição a isso, sabe-se que jovens assim se tornam um alvo ainda maior nas questões da violência, violência esta praticada por pessoas muito próximas e conhecidas, por isso a atenção para como jovens assim tem que ser permanente, até que esta fase tão difícil seja superada.
No caso do menino que foi encontrado morto num lago de Novo Itacolomi (Lucas), ali ficou evidenciado o total descontrole de comportamento, nada, absolutamente nada justifica a violência e covardia praticada pelos assassinos.
A Solução seria um acompanhamento psicológico no jovem, este seria fundamental, um monitoramento e uma confiança estabelecida, tanto do jovem com sua família e um profissional da área   teria que ser feito, mas infelizmente isso na nossa região não tem, A Família fica com a responsabilidade de tudo, e sabemos bem que muitas nem sabem como agir diante destes acontecimentos, O Fato é que este caso sirva de alerta a muitos Pais e Mães que vivem situações semelhantes.

Baseando nos acontecimentos veja nota em Relação ao crime:

A Polícia Civil de Apucarana já esclareceu a morte de uma travesti de 14 anos, encontrada dentro de uma represa em Novo Itacolomi. Quatro adolescentes foram apreendidos e são apontados como os autores do homicídio. Os meninos de 17, dois de 16 e um de 15, foram apreendidos após investigações e depoimentos de testemunhas que afirmaram ter visto eles junto com o adolescente assassinado. Dois dos rapazes confessaram que mataram Lucas Mateus Pereira, conhecido como Luana Biersack. Os outros dois negaram o crime, mas disseram que presenciaram a morte da vítima. Eles ainda afirmaram que tentaram impedir e chamar a polícia, mas foram ameaçados. Segundo a polícia os adolescentes afirmaram que saíram juntos, foram até o lago onde beberam e usaram drogas. Em seguida eles mantiveram relação sexual com a vítima e depois a mataram. A travesti de 14 anos foi assassinada com agressões e afogada, segundo os autores. Depois de deixaram o menino desacordado, os adolescentes jogaram o corpo dele na represa. Conforme a polícia o grupo vai responder pelos crimes de homicídio e ocultação de cadáver. Emocionada, a mãe da vítima, Marta Dias, disse que o filho é que ficou preso e nunca mais voltará, já que os assassinos um dia vão sair da cadeia. Ela ainda expressou a dor de nem poder vir o rosto do filho para dar o último adeus. O caixão da vítima precisou ser lacrado, devido ao estado em que o corpo estava. Além disso, o enterro foi feito ontem mesmo sem velório. A polícia aponta que a motivação do homicídio tenha sido a homofobia. A travesti morta ficou quase 10 dias desaparecida e a família procurou a polícia que passou a investigar o caso. Colaboração: Silvia Vilarinho / Rede Massa

VEJA ABAIXO A OCORRÊNCIA:

A Polícia Civil e o Corpo de Bombeiros de Apucarana encontraram corpo de uma travesti no lago municipal de Novo Itacolomi, no fim da tarde desta sexta-feira, 22. 
                            A travesti de 14 anos, conhecida como Luana Biersack, desapareceu no dia 13 de abril. De acordo com o delegado-chefe da 17ª Subdivisão Policial de Apucarana, José Aparecido Jacovós, três suspeitos estão sendo interrogados. "Um deles confirmou que presenciou o assassinato e informou o local em que o corpo estava, mas negou a autoria do crime".

PESQUISE NOTÍCIAS DO CANAL 500 GOOGLE


    0 comentários: